Vidro e suas aplicações na arquitetura moderna

By 22 de junho de 2018Arquitetura

É impossível falar sobre a arquitetura moderna, sem falar do vidro. O material que vem sofrendo grandes avanços tecnológicos nos últimos anos abriu um leque de possibilidades para concepções arquitetônicas incríveis. Sua versatilidade de formas e cores, além de sua resistência à compressão vem possibilitando a construção de obras exuberantes sem deixar de lado todo o conforto e a segurança que se espera de uma construção.

A utilização do vidro de forma correta em projetos arquitetônicos traz a economia de energia com a utilização da luz e da ventilação natural, integram ambientes, valoriza uma vista panorâmica e da amplitude a pequenos espaços. O vidro agrega elegância ao patrimônio gerando uma valorização do imóvel. O mercado imobiliário atual tem uma excelente aceitação à utilização do vidro, e com certeza será apontado como um diferencial na hora da venda.

Porém existe uma série de especificações técnicas do vidro que devem ser respeitadas de acordo com cada aplicação do mesmo. É muito importe a utilização do vidro correto para evitar acidentes ou algum tipo de prejuízo. A utilização do vidro float, ou comum, ficou muito restrita nas novas aplicações modernas, que devem ser substituídos pelos vidros de seguranças. Como pode ser observados nas normas NBR 10821, NBR 14718 e NBR 7199.

Vidros temperados e/ou laminados são exemplos de vidros de seguranças e são citados nas NBR 14698 e NBR 14697 respectivamente. Este é a fusão de duas camadas de vidro ou mais com uma camada de PVB ou EVA que não deixa que os estilhaços de vidro se desprendam quando quebrado. Aquele após passar por um processo de aquecimento em altíssima temperatura passa ter uma resistência muito maior a impacto, além de se estilhaçar quando é quebrado. O vidro pode ser temperado e laminado simultaneamente. A utilização do vidro de segurança é primordial em guarda corpo, peças de vidro inteiriça como portas, cobertura e outros casos.

Outra variável do vidro muito importante é a sua espessura, que deve ser calculada corretamente conforme aponta a NBR 7199 com última revisão em 2016. A espessura do vidro pode variar de acordo com o tipo do vidro, quantidade de apoios, comprimento, e o local de utilização.

Os vidros também podem ser insulados, possuir controle de emissividade, serem translúcidos, laminados com película de controle solar e outras aplicações.

Por isso a importância do acompanhamento técnico e do projeto de detalhamento das esquadrias de vidros. Não se trata só do vidro a ser utilizado, mas também da forma como será fixado, são muitos detalhes que devem ser levados em consideração para garantir o sucesso da obra em termos de segurança e conforto, pois não se trata apenas de estética.

Gostaram das informações? Compartilhe conosco os seus comentários.